Conteúdo

27 de outubro de 2021
Você já ouviu falar em compulsão alimentar?

Se caracteriza por episódios recorrentes de compulsão, onde são ingeridas grandes quantidades de alimentos. Na maioria das vezes a pessoa come muito rapidamente e só́ para de comer quando sente algum tipo de desconforto.

Normalmente as pessoas que sofrem com o transtorno alimentar passam muito tempo contando calorias e analisando seus corpos na busca de encontrar defeitos.

Existe um gasto gigante de tempo e energia diante desses episódios.

A pessoa que está vivenciando a compulsão alimentar pode experimentar muita vergonha, angústia ou culpa após o episódio de compulsão.

Como surge a compulsão?

O comportamento não é automático, não surge simplesmente do nada. Se come por causa de alguma coisa: seja a fome ou na tentativa de regulação emocional.

Quem sofre de compulsão na maioria das vezes sente-se mal em relação a si mesmo e sua aparência, e utiliza do alimento como mecanismo de evitação para lidar com as tensões e o meio na qual está́ inserido.

Como a terapia pode ajudar na vivência da compulsão alimentar?

Os sintomas de compulsão podem estar relacionados com outras questões internas. A tomada de consciência da sua forma de ser no mundo, do seu corpo, pensamentos e sentimentos, como aprender assumir responsabilidade sobre suas ações e escolhas, podem ajudar na compreensão da sua relação com a comida, compreender para que serve esse padrão na sua vida e suas reais necessidades.

A comida tem um sentido diferente para cada pessoa. Achamos que se simplesmente modificando um hábito alimentar vamos eliminar os sintomas. Porém, não é bem assim que funciona.

A terapia pode possibilitar que a pessoa compreenda o significado que a comida tem, bem como o lugar que ocupa na vida dela e a partir dessa tomada de consciência pode ser possível desenvolver outros recursos mais efetivos para lidar com as emoções.

Não se deixe para depois, você é agora!

.

Autora: JESSICA FERREIRA DOS SANTOS SEGATI | Psicóloga – CRP 09/14412

Graduada em psicologia 2017/2 pela Unialfa. Pós graduanda em Gestal terapia pelo ITGT. Experiência a mais de oito anos na área de Recursos Humanos com foco em desenvolvimento de pessoas e carreira. Como Psicóloga Clínica atendo adolescentes e adultos em suas diversas demandas sobre a perspectiva Gestalt, respeitando a individualidade de cada cliente que se apresenta.

Compartilhe