Conteúdo

26 de junho de 2019
Sobre Transtornos Alimentares

Os transtornos alimentares ultrapassam o que o senso comum julga como “pessoas querendo chamar atenção”. São problemas multifatoriais, tanto de ordem psicológica quanto corporal, caracterizado por consumo, padrões e atitudes alimentares exagerados que geram excessiva preocupação com a forma corporal.

Os Transtornos Alimentares podem ser motivados através de diversos fatores, dentre eles pode se pontuar:

  1. A submissão da mulher, gerando nela um comportamento e até um lugar onde ela não gostaria de estar e de ser, limitando-a de ser que ela é;
  2. O não se enquadrar no padrão da beleza, a pessoa passa a se vitimizar ou até mesmo se mortificar como justificativa “inconsciente” de estar fora desse enquadramento.

São considerados Transtornos Alimentares: anorexia nervosa, bulimia nervosa, transtorno alimentar restritivo evitativo, transtorno de compulsão alimentar, pica, vigorexia, entre outros.

A infância é uma fase em que se precisa de atenção, pois, nela pode se iniciar um possível desenvolvimento dos Transtornos Alimentares.  É nessa fase que se inicia a formação do autoconceito, que influenciará a percepção da autoimagem e, consequentemente da autoestima.

Dessa forma, a pessoa começa a se distanciar de si mesma, não se percebendo mais, não conhecendo mais, suas necessidades, suas vontades e até mesmo seus valores são perdidos.

O tratamento dos Transtornos Alimentares se dá através de uma equipe multiprofissional composta por: psicólogos, psiquiatras, profissionais de educação física, endocrinologistas e outros profissionais voltados para a saúde física e emocional do paciente.

Essa equipe irá trabalhar com o paciente a fim de ajudá lo a se encontrar, pois muitas vezes as humilhações, os medos, a negação e a ausência de afetividade, o faz se distanciar cada vez mais de si mesmo, carregando durante anos, dores e sofrimentos que na verdade não são suas, foram ”colocadas” dentro dele.

A perda do autocontrole, auto aceitação e a autoestima, gera um sofrimento imensurável. E nesse encontro consigo mesmo, o individuo, começa a se perceber de maneira diferente, ele entra em contato com sua fragilidade, suas vontades, seus desejos, ganhando forças para lutar contra os pensamentos negativos que até aquele momento eram os “monstros” que o impedia de se perceber.

.

TEXTO DE AUTORIA DOS PARTICIPANTES DO GRUPO DE ESTUDOS DE TRANSTORNOS ALIMENTARES DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2019.

Compartilhe