Conteúdo

17 de abril de 2020
Porque sonhamos?

Porque na maioria das vezes só lembramos frações de nossos sonhos?

“É fato, o homem sonha, mesmo que se esqueça, ainda que não queira, até quando não sabe.”

O homem é aquele que sonha, afirma Freud em sua maior obra “A interpelação dos sonhos”. Considerada como obra inaugural da psicanálise – muito mais amplamente do próprio século XX – foi publicada em 1899, mas trazendo a data de 1990. Porque?

Freud, sempre muito ambicioso e intencionalista, ao adiar a data da publicação tinha como intenção que esse trabalho, também conhecido como “o queridinho de Freud”, fosse um dos mais importantes do século XX. Conforme almejado, “A interpretação dos sonhos” é hoje um dos mais relevantes textos escritos no referido século.

Nos sonhos vivemos, portanto, nossos desejos de modos disfarçados. Esse fenômeno acontece devido à nossa inabilidade motora e à ausência de interesse pelo mundo externo.

O sonho é o guardião do sono, ele tenta impedir o despertar. Freud, desde muito jovem, interessava-se por seus sonhos, afirmava sonhar com frequência e costumava registrar seus estranhos sonhos em um caderno que, para a tristeza dos estudantes da psicanálise, não foi conservado.

No verão de 1895, em Bellevue aos arredores de Viena – onde Freud costumava passar os verões em família – teve o insight que lhe revelou como interpretar os sonhos. No mesmo verão, sonhou com “a injeção de Irma”, este sonho foi fundamental para interpretações posteriores, que o levaram a concluir que os sonhos são uma realização de desejos inconscientes.

E você, leitor? Ficou curioso para saber o significado por traz dos sonhos que parecem insignificantes, sem lógica ou inexplicáveis? A obra ”A interpretação dos sonhos” traz ao leitor revelações. É uma investigação intensa e absolutamente inédita sobre o inconsciente. Uma gostosa viagem da manifestação psíquica e inconsciente por excelência.

.

Referência Bibliográfica:

A interpretação dos sonhos. Vol 1. – Sigmund Freud; Tradução do alemão por Renato Zuick; 2018.

.

Autora: Ionara Soares Dias | CRP 09/013798

Compartilhe