Conteúdo

30 de março de 2020
Isolamento Social e Luto: existe relação?

A necessidade do isolamento social foi a medida tomada em todos os cantos do Mundo. Subitamente, crianças e adolescentes deixaram de frequentar a escola, diversas pessoas tiveram suas aulas suspensas e para muitos a rotina de trabalho foi marcada por algumas mudanças, alguns tiveram que se adaptar ao chamado home office, que na tradução para o português nada mais é do que trabalhar de forma remota, e outros tiveram suas ocupações suspensas. É tempo de quarentena, de isolamento, de prevenção e tentativa de proteção contra o aumento do novo coronavírus.
Mas, qual seria então a relação entre isolamento social e luto? O processo do luto representa um afastamento do estado de saúde e bem-estar, ou seja, um momento de desequilíbrio da saúde emocional que acontece diante de uma perda. Contudo, o que pode ser uma novidade para muitos é que o luto não acontece somente em situações de perda por morte, mas também por outros tipos de perdas como da segurança financeira, da liberdade, da integridade física e saúde, da perspectiva de futuro.
Diversas reações são comuns no processo de luto como choque, negação, ansiedade, desorganização, desespero e impotência experimentadas intensamente e sobrepostas (em alguns momentos). A ambivalência também é comum de ser sentida. Diante desse momento desafiador é possível afirmar que estamos passando por um luto coletivo, visto que as reações supracitadas e ainda o sentimento do medo atingem todos os seres humanos, independente de idade, etnia, sexo, nível socioeconômico e religião.
Portanto, cuide da saúde emocional e não deixe ela em quarentena. Manter o equilíbrio psíquico é fundamental para que este momento de luto coletivo seja menos desorganizador.

.

Autora: Lívia Diederichsen de Brito | Psicóloga CRP 09/13701

Psicóloga formada pela PUCRS. Possui Residência Multiprofissional com ênfase em Adulto Crítico pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). É especialista em Psicologia Hospitalar pelo Conselho Federal de Psicologia. Especialista em Intervenção em Situações de Luto pelo CEFI – Centro de Estudos da Família e do Indivíduo. É aluna da Pós-Graduação em Avaliação Psicológica no IPOG – Instituto de Pós Graduação.

Compartilhe