Conteúdo

11 de junho de 2018
Carta à uma psicóloga escolar iniciante

O grupo de estudos em Psicologia Escolar recebeu uma visita da psicóloga Lígia Libâneo. No encontro,  foi construída uma carta coletiva para uma psicóloga escolar que irá começar seu trabalho enquanto tal. A carta visa ajudar com as expectativas, aflições  e oportunidades de uma profissional que irá adentrar em uma escola para vivenciar um mundo de possibilidades. Confira:

Goiânia, 19 de maio de 2018
Cara colega psicóloga escolar,

Nos contaram que amanhã será o seu primeiro dia de atuação em uma escola. Nós, estudantes e profissionais de psicologia do grupo de estudos de psicologia escolar da Rede de Psicologia, escrevemos alguns conselhos com o desejo de que eles contribuam com esse momento tão importante e especial para você e a escola.
A tendência do profissional em psicologia escolar é querer alcançar um resultado rápido em suas intervenções, porém dentro do ambiente escolar existe uma grande diversidade nas subjetividades, dos sujeitos envolvidos no processo de educação: alunos, professores, coordenação entre outros, e isso precisa ser respeitado para a construção de intervenções dentro do ambiente educacional, entendendo que quando não se tem um resultado imediato não significa que é um mau profissional.
Reconhecer a estrutura escolar e da comunidade local, para que seja possível perceber quais são os conceitos que sustentam a prática escolar. Como os professores são vistos pelos alunos e vice-versa, assim como reconhecer o papel de cada um na instituição de ensino. Reconhecer os métodos pedagógicos de modo a contribuir para um melhor desenvolvimento na dinâmica como um todo e reconhecer o outro como em processo de transformação e agente transformador.
Lembre-se de criar vínculos, com os professores, com a coordenação, com os alunos, com os pais, com a equipe de conservação da escola e com toda a comunidade escolar. Serão esses vínculos que lhe possibilitarão se colocar nesse espaço e perceber-se enquanto parte integrante da escola. E será também por meio desses vínculos que você conseguirá desenvolver trabalhos coletivos, construindo uma atuação para além da escuta. É importante que você tente articular o saber psicológico nos processos
formativos, relacionando-o com as disciplinas de outras áreas do conhecimento e procurando auxiliar nos processos institucionais que orientam a escola. Busque parcerias, esteja presente nos espaços educativos coletivos, serão essas relações que abrirão oportunidades para que realize uma escuta de todos e todas.
Acreditamos que seria potente estar percebendo as suas próprias emoções e refletindo quais são suas responsabilidades. É relevante perceber o que é seu e o que é do outro, por isso, a importância da terapia pessoal, momentos de ócio para possibilitar a criação. A escola é um espaço de encontros afetivos intensos e de realidades conflituosas, por isso, a importância de receber esses afetos e elaborá-los, tendo em vista a sua saúde psíquica.
Desejamos que esse filme que você fará, enquanto estiver vivendo essa experiência, seja repleto de expectativas, medos, alegrias… Aproveite cada detalhe, cada momento, cada encontro. Atente-se ao que nunca foi visto, escute aquele que nunca foi ouvido, e lembre-se: preserve sua capacidade de aprender e desaprender todos os dias. Depois de tudo isso, nossa última dica é que você se divirta, porque o que importa é como tudo isso vai acontecer.

Saudações,

Compartilhe